quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Sou sempre essa coisa perdida, sem começo e fim. Sou sempre essa coisa triste, sem dó e nem piedade. Quem me conhece? Nem mesmo eu.
— Caio Augusto Leite

Nenhum comentário:

Postar um comentário